25 novembro 2016

A intensa Elis

O filme "Elis" dirigido por Hugo Prata retrata a vida de Elis Regina a partir de sua chegada ao Rio de Janeiro junto com seu pai. Quando chega lá, vemos que a "pimentinha", como era chamada por seus amigos, terá que ultrapassar alguns obstáculos. E que se Elis foi quem foi, foi por muita força de vontade e obstinação da mesma. Logo no começo há uma cena em que Elis afirma ser a melhor cantora do Brasil, e ela não estava mentindo. Até agora, ela é a maior intérprete brasileira. Não há ninguém que se compare a rainha da MPB. A auto-confiança que Elis tinha, mas que vemos no filme que às vezes não passava de um teatro, foi essencial para ela alcançar seus objetivos. Apesar de às vezes não ser tão auto-confiante assim, Elis não deixava transparecer e sempre demonstrava força. Se ela não tivesse a força interior que ela possuía, ela jamais  teria alcançado todo esse sucesso. Elis era muito intensa. Tudo nela era oito ou oitenta, a cena em que descobre a traição do marido e joga seus discos fora é memorável. Essa intensidade foi seu fim. Apesar de ter sido seu motor, sua força vital, acabou sendo sua destruição. Ela não aguentou a pressão desse mundo e se foi muito cedo. Uma grande perda nacional e que é sentida até hoje, mas que podemos revive-la através de suas canções. 



















O filme é incrível e a atuação de Andréa Horta está fenomenal, chego a me arrepiar o quanto ela está parecida com Elis! O jeito de falar, de gesticular, de rir... Está tudo igualzinho. Ela conseguiu botar toda a intensidade de Elis no papel. Andréa Horta merece todos os prêmios possíveis, e ela mostrou que é uma grande atriz. É um filme que eu recomendo para qualquer um que admira Elis, para amantes da MPB ou para qualquer um que quer ver um bom filme. 

23 novembro 2016

Melhores looks do AMA 2016

O AMA aconteceu dia 20 de novembro e eu selecionei os melhores looks, na minha humilde opinião.


1- Chrissy Teigen arrasando com esse vestido com uma fenda
 2- Um dos vestidos que a Gigi Hadid usou quando apresentou o AMA. Um Versace com cristais Swarovski
 3- Selena Gomez está deslumbrante com esse vestido vermelho

20 novembro 2016

Resenha: A garota do trem

O livro é incrível. E o filme faz jus ao livro e é tão incrível quanto o livro. O livro/filme conta a história de Rachel, uma alcoólatra que se separou do marido e está bastante deprimida por causa disso. Todo dia ela frequenta um trem e vê um casal e imagina que eles são o casal perfeito, até que ela vê uma cena chocante e descobre que a mulher que ela observa (Megan) está desaparecida e ela está envolvida. No livro conta o ponto de vista de três mulheres, Rachel, Megan e Anna (a mulher do ex marido de Rachel). 


Rachel é uma mulher extremamente forte, ao longo da história vamos descobrindo por tudo o que ela passou e vemos que ela passou por uma história de abuso físico e psicológico. É uma história necessária, principalmente nos dias atuais. Também se nota como ela está destruída após o fim do casamento e como ela não entende porque acabou e ao longo do filme vamos entendendo o porque disso.  Vemos também como é difícil viver com alcoolismo, uma doença que acaba com o ser humano e vai destruindo Rachel aos poucos e acaba gerando nela lapsos de memória o que é o um dos pontos centrais do filme. 
Vemos também que nem tudo é o que parece ser e que as aparências enganam. E como enganam.

As três mulheres acabam interligadas por um ponto em comum, mas ao longo do livro/filme vemos que no fim o que liga elas é um sentimento ser mulher e de como isso implica na vida delas. No fim, elas precisam se ajudar. E é o lado belo do filme. Eu achei excelente a adaptação, e acho que é capaz da Emily Blunt ganhar uma indicação ao oscar por seu papel como Rachel. 

13 novembro 2016

A vida não para.

Ontem foi meu aniversário de 19 anos. 19 anos de muito aprendizado. Pode ser clichê, mas nesses 19 anos eu aprendi muito. Apesar de pouco tempo, aprendi que a vida não para. Por mais que a gente queira. Por mais que os amigos te abandonem. Por mais que a vida doa. Por mais que a dor seja insuportável. A vida, infelizmente e felizmente não para. Há um texto de Clarice Lispector que define isso bem: "Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente."
Com o sofrimento aprendi muito. Aprendi que não devemos confiar em todos. Mas aprendi também que não devemos julgar, a gente nunca sabe a dor do outro, o problema que ele carrega, o transtorno que ele tem. Aprendi que meu melhor amigo sou eu mesma. E meu pior inimigo também. E que eu devo sempre lutar contra mim e lembrar que esta luta é sempre válida, pois no fim do dia, o que nós temos é a si mesmo. E felizmente ou infelizmente, nós somos os únicos com quem podemos realmente contar.
A vida não para para ninguém. Eu tenho uma frase tatuada do meu livro favorito (As vantagens de ser invisível) que diz o seguinte: As coisas mudam, os amigos vão embora e a vida não para pra ninguém. E não para mesmo. E isso é bom e ruim, para que possamos nos reerguer e aprender com a dor. Dói, dói demais, mas é preciso.
Foto:  We heart it

10 novembro 2016

As melhores fantasias de Halloween 2016

O melhor do halloween com certeza é ver as fantasias dos famosos e ver até onde sua criatividade vai. Aqui, segue a lista das melhores fantasias que eu achei.
Beyoncé, seu marido Jay-Z e sua filha Blue, foram fantasiados de barbie e ken, e a filhinha fofa entrou no clima também.

 
Heidi Klum, como sempre surpreendendo, se fantasiou dela mesma com vários clones.

Kylie Jenner, foi de Christina Aguilera no clipe Dirty.

Lindsay Lohan foi de Arlequina, do filme esquadrão suicida.

Taylor Swift, se fantasiou de Deadpool junto com seu squad.
Paris Hilton de mulher maravilha.
Ansel Elgort e sua namorada, Violetta Komyshan, fantasiados de Jon Snow e Daenerys de Game of Thrones.
Hailee Steinfeld de caveira sexy.
Orlando Bloom de Bill Clinton e Katy Perry de Hillary Clinton.


01 novembro 2016

Porque me tornei vegana

Hoje é o dia mundial do veganismo. E nesse dia vou dizer porque eu me tornei vegana. Primeiramente fui vegetariana por mais de três anos, e partir do ano passado comecei a criar uma consciência maior que a indústria do leite e dos ovos também maltrata os animais. Através de documentários, como a carne é fraca, pude ver como essa indústria é cruel. Mas é difícil virar vegana, não vou mentir. Existem poucas opções e muitas vezes não somos levados a sério quando perguntamos se tal produto leva ovo e/ou leite. E se eu fosse alérgica? As vezes tenho que mentir dizendo que sou alérgica para ser levada a sério. Mas o meu ponto não é esse. O ponto é: porque eu virei vegana? E a resposta mais simples é que foi pelos animais. Essas criaturinhas fofas que são melhores que muitos seres humanos. Um dia um crime de canibalismo na cidade me chocou, e eu me perguntei, porque comer gente me choca, mas animais, que são seres que sentem dor e tem sentimentos, não me choca? Foi a partir daí que uma luz se acendeu em mim.
Seja gentil com os animais

O veganismo é um estilo de vida. Vai desde não comer nada derivado de animal a não usar nada derivado de animal nem produtos testados em animais. É a maneira mais pura e decente de ajudar os animais, esses seres maravilhosos que precisam da proteção dos seres humanos conscientes. Muitos falam "ah mas é a lei da natureza" nós, seres humanos, somos os animais racionais e por isso devemos usar nossa racionalidade para proteger aqueles que são irracionais e não podem se defender sozinhos. Fora que há fatores determinantes como pela saúde e pelo meio ambiente. Muitos cientistas dizem que o veganismo é a solução para os problemas ambientais do mundo. Enfim, vire vegano(a). Pelos animais, pelo meio ambiente, por você. 
© Pequenos Devaneios - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo