30 julho 2018

A doença que quase me matou

Eu recebi o diagnóstico no final de 2014. Eu tinha 16 anos. Se você for ouvir de qualquer outro bipolar, vai ver que ele recebeu o diagnóstico tardio. Eu, ainda fui sortuda de ter recebido jovem. Por ser uma doença mental considerada grave, é preciso ter cuidado. O remédio mais usado para a bipolaridade é o lítio. Em excesso, pode até matar. Por isso, quem usa lítio tem que fazer exames de sangue todo mês para ver a quantidade no sangue. Mas voltando para quando eu recebi o diagnóstico. 

Bipolaridade é uma doença pouco falada, a única coisa que eu sabia de bipolaridade era o que a Demi Lovato tinha falado sobre a doença, já que ela também tem. E essa é umas das razões pela qual a Demi é tão importante para mim, mas isso é assunto para outro post. Eu fiquei assustada. Como assim eu não tenho "só" depressão? E como é ser bipolar? O que sou eu e o que é a doença? Como vou saber se uma emoção que eu sinto é real ou é só a doença se manifestando? Minha psicóloga e psiquiatra conversaram comigo e me tiraram algumas dúvidas. Eu me senti aliviada. Pois sempre soube que o que eu tinha não era "só" depressão. Tinha algo a mais. Por que eu era tão intensa? Por que eu me irritava com tanta facilidade? Por que nunca existia meio-termo para mim? Frequentemente eu ouvia (e ainda ouço, pois bipolaridade não tem cura) as pessoas dizerem "você tem o pavio curto" "você é muito intensa" "você é oito ou oitenta".

Eu aceito me julgarem por um defeito MEU. Mas eu não aceito me julgarem pela minha doença, algo que eu não controlo. Você acharia aceitável pedir para um paraplégico andar? Então. Você não pode me obrigar a agir como se eu fosse "normal". Entenda, quando eu me empolgo demais com algo e acabo falando alto ou fico tão empolgada que não consigo parar de falar, a culpa não é minha. Se você disser de uma forma adequada que eu estou incomodando eu imediatamente irei me retratar. Antes, eu não fazia ideia que estava sendo exagerada, mas agora que alguém notou eu vi. Quando uma pessoa está tomada por uma doença mental muitas vezes ela nem percebe. O estado de mania da bipolaridade, é um estado que o doente quase nunca percebe. Para mim era normal gastar mais 300 reais numa livraria. Mas quando o estado maníaco-depressivo passa, a culpa vem logo depois. E da vontade de rasgar sua pele pois você fez uma tremenda besteira.
Eu queria muito que eu fosse uma pessoa equilibrada e pudesse agir como qualquer outra pessoa. Mas infelizmente não sou. Eu tenho uma doença que me faz ser mais intensa que a maioria da população e isso dói. Dói porque sou uma minoria e minorias sofrem. Sofrem por serem incompreendidas. É muito difícil quando em vez de tentarem entender sua doença, as pessoas te julgam. Te acham mimada porque você não controla seu temperamento e acaba sendo impulsiva e falando coisas que não devia. Acham você inconveniente pois você fala demais, quando na verdade você não consegue parar. É sério, se ninguém falar comigo para eu parar eu posso falar para o resto da minha vida, isso quando estou em crises maníacas. Não me culpe quando eu estou muito irritada. Eu não queria estar e isso é um enorme sofrimento para mim. O meu cérebro não para um segundo, e nessas fases tenho que tomar remédio para o cérebro desacelerar. Eu imploro, não me julgue quando eu tiver reações inesperadas do tipo chorar por causa de um trabalho da faculdade. Eu não controlo. Minhas emoções estão sempre a flor da pele. 

Cerca de 30% a 50% dos portadores de bipolaridade no Brasil, tentam suicídio. É a doença que mais pessoas se matam. Eu, infelizmente, já tentei incontáveis vezes. É extremamente difícil viver com uma doença sem cura, principalmente quando essa doença mexe com todo o seu corpo. Muitas vezes, mesmo quando nada de ruim está acontecendo, eu penso em desistir. Porque eu sei que o estado depressivo vai vim. E quanto melhor eu tiver, mais alta será a queda. 




Eu sei que sou privilegiada, tenho reconhecimento disso. Se é difícil para mim, que tem todos os cuidados, imagina para alguém que não tem? Eu pretendo trabalhar com isso no futuro e lutar para que todos tenham direito à saúde mental digna. Pode ser algo utópico, mas os melhores sonhos são.

Ps: prometo fazer mais posts como esse, para desmitificar essa doença. Também tentarei falar de outras doenças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Pequenos Devaneios - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo