Um filme digno de Oscar

22 fevereiro 2019

A Star is Born – traduzido para Nasce uma Estrela no Brasil – conta a história de Jackson Maine (Bradley Cooper) um cantor que está no auge da fama, porém tem seus próprios demônios: é viciado em álcool e drogas. Um dia, depois de um show, Jackson resolve parar em um bar, onde Ally (Lady Gaga) está se apresentando. E aí, é amor a primeira vista. Mas não, o filme não é um clichê, nem um pouco água com açúcar. Os dois vão enfrentar muitas dificuldades, mas sempre juntos.

Por conta de seus vícios, Jackson acaba vendo sua carreira se deteriorar e a de Ally ascender. Isso obviamente mexe com a cabeça dele, já que vemos ao longo do filme que seu pior inimigo está dentro de si próprio. Ele é um homem bastante inseguro, perfeccionista, e cruel consigo mesmo. Por conta disso – e outros fatores que se vê ao decorrer do filme – entendemos como ele se tornou o homem doente de atualmente.

É um filme lindo, porém extremamente triste. Triste porque vemos como é ser um viciado, um doente mental, como é não ser compreendido pela sociedade, como é ser tratado feito lixo simplesmente pelo fato de você ter uma doença, algo que você não controla.

Trata-se de um filme delicado e forte, mas que merece todos os prêmios que está ganhando. Um filme que teve a coragem de trazer um tema tão esquecido que é o de saúde mental. Poucos se “atrevem” a quebrar essa barreira que existe em falar desse tópico. E isso é extremamente danoso para as pessoas que convivem com doenças mentais e as pessoas que convivem com pessoas que possuem doenças mentais. É difícil ter um transtorno mental e é difícil também conviver com alguém que tem. É óbvio que quem sofre mais é quem possui a doença, porém, não podemos esquecer que essas doenças são bastante delicadas e exigem de ambos o lados.

Outro fato que me chamou atenção, é como vemos que palavras têm o poder e podem machucar e causar horrores inimagináveis. Não irei soltar spoilers, mas as palavras tem um grande papel nesse filme. Não só palavra de terceiros, mas também as que dirigimos a nós mesmos. O filme poderia ter tido um final diferente, mais alegre, mas acho que do jeito que ficou, foi perfeito, pois ensinou que a vida nem sempre é como a gente quer, e a vida, infelizmente, não é fácil para ninguém.

Eu chorei muito com esse filme, mas também sorri. Sorri porque o amor é lindo e ele existe e está aí fora para todo mundo que tentar. Apesar de tudo, Jackson tentou. E é isso que importa.

O filme foi indicado a oito categorias no Oscar. Inclusive de melhor atriz, melhor ator, melhor canção e melhor roteiro adaptado. Ele pode ser alugado no NOW da TV de assinaturas NET.